Grupo Institucional Sénior
Back
Thu 11:30 - 13:00
Grupo Regular de Biodanza Sénior no Instituto IHumanos na Escola de Educação Superior de Coimbra

O cenário que envolve o envelhecimento na sociedade actual exige que se pensem em alternativas para lidar com este fenómeno. Lapierre revolucionou a forma de pensar a reabilitação ao sugerir mudar o foco da estratégia até então centrada em funções isoladas, para uma reabilitação mais amplas (Bottoni, 2000). Tal fundamento ajuda a compreender a razão pela qual a Biodanza, com a sua metodologia que actua nos níveis orgânicos, motores, afectivos, intelectuais e sociais, se tem revelado um importante sistema para a reabilitação existencial em pessoas com idade acima dos 65 anos de idade.

Na maioria dos casos, é o decréscimo acentuado das relações afectivas da pessoa que o leva a processos de desvalorização que, aliados à debilitação de funções motoras, conduzem a uma progressiva inactividade, diminuição da auto-estima, desorientação, isolamento e perda de motivação para viver. Consciente disso, Toro (1991, citado por Azambuja, 2002) afirma que: 

“Os factores mais importantes no processo de reabilitação são os de carácter afectivo. Esta afirmação não pode parecer estranha se pensarmos que a génese da inteligência, de acordo com Piaget, está fundamentada em primordiais estruturas afectivas e no processo de formação da identidade. Justamente o ancião experimenta uma perda violenta das suas relações afectivas dentro de uma sociedade que o rechaça, e pela desvalorização e perda de sua identidade como ser humano. Esses dois processos o derrubam na insanidade, na desorientação e na falta de motivação para viver suas funções intelectuais e concomitantemente se vão paralisando.” 

 

Rolando Toro Araneda ( criador da Bidoanza) defende mesmo que o processo de envelhecimento é parcialmente reversível mediante a prática da Biodanza, uma vez que um grande número de funções podem ser reabilitadas do ponto de vista motor, psicossomático, bem como padrões de resposta emocionais e intelectuais.

Se, de uma forma global, a Biodanza actua ao nível da/o

− ampliação da noção de si mesmo e das suas potencialidades, estimulando a

expressão da identidade;

− promoção da relação com o outro e com a Natureza;

− resgate da alegria de viver, influindo positivamente no compromisso de cada um com a Vida;

− equilíbrio neurovegetativo, harmonizando o organismo através da actuação nos mecanismos de auto-regulação e promovendo, assim, a saúde. 

...então vejamos a possível intervenção junto de grupos de pessoas com mais experiência e sabedoria de Vida: 

 

Segundo Toro (1991, citado por D'Alencar, 2005), os exercícios propostos para este público-alvo procuram:

− o equilíbrio das funções psicológicas;

− restabelecer a capacidade de vinculação, melhorando a quantidade e a qualidade dos vínculos sociais e familiares e promovendo competências comunicacionais;

− recuperar a habilidade motora;

− melhorar funções respiratórias;

− diminuir tensões, rigidez muscular e sintomas psicossomáticos;

− estimular a harmonia e sensações de plenitude;

− reforçar a auto-confiança;

− melhorar o estado de ânimo. 

 

Para além dos benefícios acima apontados, as observações apontam para o facto de que a prática regular da Biodanza contribui, também, para que o sistema nervoso se mantenha saudável e minimiza o comprometimento funcional decorrente da idade avançada, ao estimular a plasticidade neuronal (capacidade de, em determinadas condições, o sistema nervoso recuperar funções anteriormente perdidas).